O que é SQL?

Pra começar você precisa saber que SQL não é um banco de dados; SQL é um idioma (entre especialistas costumamos substituir o termo “idioma” por “linguagem”). A sigla SQL significa Structured Query Language; em português: linguagem de consulta estruturada. Destaquei o “consulta” porque o foco dela é justamente isso: consultar!

Os bancos de dados (ou gerenciadores de bancos de dados) nasceram antes da linguagem SQL e cada qual tinha sua própria linguagem de consulta. Logo os usuários e fabricantes notaram que essa torre de babel não era interessante e optaram pela criação de um único idioma para consultar bancos de dados relacionais (em outra oportunidade falaremos sobre os bancos dimensionais). O órgão American National Standards Institute (ANSI) ficou responsável pela padronização desta linguagem e de tempos em tempos realiza encontros entre fabricantes para discutir a linguagem SQL e propor melhorias; no entanto esta padronização não impede que cada fabricante personalize a linguagem SQL para atender suas necessidades, e é aí que surgem os dialetos.  Por exemplo, o “dialeto” do gerenciador de banco de dados Oracle é o PL/SQL; o do SQL Server é o T-SQL (transact SQL) e etc.

Agora é importante que você não confunda a linguagem SQL com gerenciadores de banco de dados! Isso é um erro muito comum!

Por exemplo, o gerenciador de banco de dados Microsoft SQL Server (como o nome já diz), é um programa que gerencia bancos de dados. A arquitetura dos sistemas gerenciadores de bancos de dados (SGBDs) é definida de forma que os dados possam estar sempre consistentes e que sejam recuperados da forma mais rápida possível! Digamos que estes são itens de série de qualquer SGBD. Para tornar os gerenciadores de bancos de dados ainda mais atraentes, os fabricantes adicionam outras inúmeras funcionalidades para facilitar o trabalho dos DBAs, aumentar a segurança, a disponibilidade e etc.

Hoje existem diversos gerenciadores de bancos de dados disponíveis no mercado, como o Oracle, o Microsoft SQL Server, o PostgreSQL, entre outros. Todos utilizam a linguagem SQL para consultar dados.

A grande dúvida que paira na cabeça de alguns profissionais de TI é: qual o melhor banco de dados? SQL Server? Oracle?! DB2?

O que eu digo é o seguinte: o melhor gerenciador de banco de dados é aquele que atende adequadamente o seu negócio. É como comprar um carro: você compraria uma Ferrari para fazer rally?! Compraria um Fusca para fazer uma longa viagem pelo Brasil?

Conclusão

SQL é uma linguagem de consulta a bancos de dados relacionais. No mercado atual existem inúmeros sistemas gerenciadores de bancos de dados relacionais (comumente chamados apenas pela sigla SGBD); podemos citar como exemplo o Oracle, Microsoft SQL Server, DB2, etc. Estes gerenciadores de bancos de dados utilizam a linguagem SQL para consultar os dados; porém, adicionam à esta linguagem soluções para atender suas particularidades e aí nascem dialetos como o PL/SQL, PL/pgSQL e o T-SQL.

Nos próximos posts falaremos mais sobre a linguagem SQL e os gerenciadores de bancos de dados.

Para conhecer mais detalhes sobre a linguagem SQL, dê uma olhada nesse post e fique familiarizado com outras siglas populares no mundo SQL como: DDL e DML!

Até +

Leia Mais

DML, DDL?!? O que é isso?

A linguagem SQL é composta por inúmeros comandos, os quais são agrupados da seguinte maneira:

  • Comandos que definem dados;
  • Comandos que manipulam dados;
  • Comandos de controle de dados.

Algumas literaturas adicionam outras subdivisões, mas neste post vamos nos ater somente as citadas acima.

  • DDL

Quando você cria um banco de dados, ele inicialmente está “vazio”; antes de começar a consultar e alterar dados é preciso definir onde e como as informações serão gravadas dentro do novo banco; então você cria diversas tabelas explicitando o tipo de dados de cada campo, as chaves estrangeiras, os índices, as regras e etc. Estes comandos de criação e alteração de estrutura são os comandos de DEFINIÇÃO dos dados, pois definem como os dados serão armazenados; em inglês são chamados de: Data Definition Language (DDL). Logo, quando falamos em comandos do tipo DDL estamos falando de comandos do tipo: CREATE, ALTER ou DROP; comandos que criam, alteram ou excluem objetos como tabelas, procedures, índices, relacionamentos e etc.

Exemplos de comandos DDL:


-- Cria uma tabela

CREATE TABLE Pessoa(
codigoPessoa char(11),
nomePessoa varchar(50));

-- Altera tabela

ALTER TABLE Pessoa
ADD numeroTelefone varchar(11);

-- Exclui tabela

DROP TABLE Pessoa;

  • DML

Depois que você criou suas tabelas, definiu relacionamentos, índices e etc., é hora de  manipular seus dados; os comandos SQL que MANIPULAM dados são os populares SELECT, INSERT, UPDATE e DELETE. Em inglês esses comandos são chamados de Data Manipulation Language o que explica a abreviação DML.

Em algumas literaturas o comando SELECT não é considerado um comando de manipulação de dados, sendo enquadrado numa outra categoria: DQL, Data Query Language, em português: Linguagem de consulta.

Exemplos de comandos DML:


-- Seleciona dados

SELECT nome+' '+sobrenome
FROM Pessoa;

-- Altera dados

UPDATE Pessoa
SET codigoPessoa = '35649869711';

-- Exclui dados

DELETE Pessoa;

  • DCL

Com o banco de dados pronto e rodando é importante definir quem poderá acessá-lo, enfim, precisamos definir a segurança do seu banco. Em inglês, os comandos responsáveis pelo controle dos dados são chamados de Data Control Language (DCL). Os comandos GRANT REVOKE fazem parte deste grupo.


-- Permissão de seleção na tabela Pessoa para a usuária Maria

GRANT SELECT ON Pessoa TO Maria;

-- Permissão de seleção e inserção na tabela Pessoa para o usuário Alberto

GRANT SELECT, INSERT ON Pessoa TO Alberto;

-- Negando alterações na tabela Pessoa para usuários do grupo GRP_RH

DENY INSERT, UPDATE, DELETE ON Pessoa TO GRP_RH;

  • CONCLUSÃO

A linguagem SQL é constituída de diferentes tipos de comandos e estes comandos são agrupados em três categorias principais, sendo: comandos DDL as instruções que definem estruturas de armazenamento dos dados; DML os comandos que manipulam os dados e DCL os comandos que controlam o acesso aos dados.

Durante as atividades do dia-a-dia você utilizará com mais freqüência os comandos do tipo DDL e DML.

Até +

Leia Mais