Arquivo da tag: sql server 2005

70-450 & MCITP DBA

Ontem fechei uma das minhas metas de 2011: atualizar o MCITP de administração para o SQL Server 2008. A prova foi a 70-450.

Bom, a verdade é que alguns dias após minha aprovação na 70-432 fui fazer o exame 70-450 na “cara e coragem” e reprovei alcançando somente 660 pontos dos 700 necessários para a aprovação.

Normalmente ninguém relata sua reprovação num exame de certificação, né? Mas a verdade é que isso é bem comum; principalmente quando você não estuda o suficiente *risos*. Enfim, deixei passar as festas de fim de ano e ontem tentei novamente (aproveitando a promoção da segunda chance) e fechei  o exame com 880 pontos.

A verdade é que, quem tirou o MCITP de administração no SQL Server 2005 deve achar o MCITP do SQL Server 2008 muito mais fácil (ou simples). Primeiro porque tiraram uma prova; antes eram 3 exames (agora são somente as 70-432 e 70-450); e tiraram justamente a prova mais difícil (em minha opinião) que era a 70-443. Tiraram também a parte “prática” que tinha no exame 70-431.

Achei estranho porque não vi nada de Service Broker, Endpoints e etc… temas que foram abordados intensamente no exame 70-443 (ouvi dizer que essa parte foi transferida para o exame 70-451, que concede o MCITP de desenvolvedor em SQL Server 2008).

Pra quem gosta de estudar utilizando os Training Kits, ainda não foi lançado nenhum para este exame; mas enfim, pra quem se dedicar um pouco nos estudos, focando no roteiro sugerido pela própria Microsoft, com certeza não terá dificuldades para alcançar este MCITP.

Dicas para estudo? Vamos lá:

  • Estude sobre compressão (linha e página); não dei a devida atenção a este tema e creio que pesou muito na minha primeira tentativa;
  • Dê uma olhada na administração de múltiplas instâncias SQL Server;
  • Alta-disponibilidade (cluster, database mirroring, log shipping, etc);
  • Backup (sempre!);
  • Replicação (topologias);
  • E não deixe de olhar alguma coisa sobre pacotes SSIS (a grande surpresa pra mim)…

Bom, agora tenho que correr contra o tempo, porque o pacote de 03 exames que comprei na promoção de segunda chance tem que ser utilizado até o fim deste semestre; isso sem dúvidas será um grande motivador para que eu tire mais duas certificações Microsoft nos próximos meses…

Enfim, bom estudo e boa sorte na sua hora :)

Até +

Configurar instância SQL via script

Existem diferentes formas de configurar uma instância SQL Server, uma delas é através da procedure sp_configure. O interessante de utilizar a sp_configure é que o DBA não fica dependente da utilização de uma interface gráfica.

Ao executar a sp_configure sem parâmetros, são exibidas as configurações atuais da instância. Cada registro representa uma configuração e no campo run_value é possível visualizar o valor atual de cada configuração.

01_sp_configure

Num cenário padrão ao executar a sp_configure o resultado só exibe algumas das inúmeras opções de configuração; isso porque por padrão o SQL Server oculta opções avançadas. Para exibir todas as opções você deve executar:

USE master
GO
EXEC sp_configure 'show advanced option', '1';
GO
RECONFIGURE;
Veja que no comando acima é possível ter uma idéia da sintaxe desta procedure. A idéia básica é a seguinte:
EXEC sp_configure ‘nome da configuração’, ‘novo valor da configuração’

Uma das configurações que podemos alterar utilizando a sp_configure é o limite de memória utilizada pelo SQL Server, vamos exemplificar a alteração desta configuração:

Atualmente minha instância está configurada para utilizar no máximo 500 MB de memória. Ao executar o comando sp_configure é possivel verificar que a opção max server memory (MB) está com o valor 500 nos campos config_value e run_value.

02_sp_configure

Para alterar a quantidade máxima de memória que a minha instância poderá utilizar executo o seguinte comando:

EXEC sp_configure 'max server memory (MB)', '300';

No comando acima configurei o máximo de memória disponível para a instância para 300 MB, no entanto se executarmos a sp_configure verificaremos que a opção run_value ainda continua com 500. Para efetivar a alteração preciso executar o comando RECONFIGURE; assim a alteração entrará em vigor.

RECONFIGURE

Figura 1 – Monitorando o contador Target Server Memory durante execução do RECONFIGURE.

É importante salientar que apesar do comando RECONFIGURE ser obrigatório, nem todas as configurações são efetivadas somente com a execução do RECONFIGURE, para estas opções a efetivação só ocorre com a reinicialização do serviço do SQL Server. Para verificar quais são estas opções basta consultar a tabela sys.configurations (disponível no SQL Server 2005/2008). As configurações que tiverem o campo is_dynamic igual a 0 (zero) só entrarão em vigor quando o serviço do SQL Server for reiniciado. Note que se o comando RECONFIGURE não for executado, mesmo que a instância seja reiniciada a nova configuração não entrará em vigor.

Outras configurações possíveis através da sp_configure: habilitar a procedure xp_cmdshell,  procedures do Database Mail,  código gerenciado (CLR), configurar o número de processadores utilizados pela instância (paralelismo), configurar memória extendida (AWE), etc.

  • RECONFIGURE ou RECONFIGURE WITH OVERRIDE?

Se ao alterar uma configuração o DBA definir um valor que foge às recomendações do SQL Server, ao executar a opção RECONFIGURE o SQL Server irá rejeitar a alteração e notificar o usuário. Por exemplo, na versão 2000 era possível realizar alterações nas tabelas de sistema do SQL Server (isso mudou um pouco nas versões 2005 e 2008), para isso bastava executar o comando:

EXEC sp_configure 'allow updates', '1'

No entanto, por razões óbvias esta não é uma prática recomendada, então nessas situações, ao executar somente o RECONFIGURE, o SQL Server exibia a seguinte mensagem:

Configuration option ‘allow updates’ changed from 1 to 1. Run the RECONFIGURE statement to install.

Msg 5808, Level 16, State 1, Line 1

Ad hoc updates to system catalogs not recommended. Use the RECONFIGURE WITH OVERRIDE statement to force this configuration.

Logo o DBA só poderia concretizar essa operação se utilizasse o RECONFIGURE WITH OVERRIDE, ou seja, esta é a forma do SQL Server se proteger contra ações indevidas e dizer ao DBA:  “amigo, isso é por sua conta e risco”. Portanto, o WITH OVERRIDE é uma opção a ser evitada e só é recomendada em situações pontuais.

  • Conclusão

Conhecer as diferentes formas de configurar uma instância SQL Server dá ao DBA maior liberdade no momento de realizar estas tarefas, neste caso, além das ferramentas gráficas o DBA também poderá utilizar a sp_configure no SQLCMD, OSQL ou agendar alterações de configurações através de jobs e etc.

Para ter acesso a todas as opções de configurações disponíveis na sp_configure, consulte a tabela sys.configurations ou acesse o Books Online.

Bom trabalho, bons estudos.

sqlvirtual

Base de dados virtual

Hoje cedo recebi um e-mail da SQL Server Magazine, com a seguinte propaganda:

SQL Virtual Database: It’s As Easy As 1, 2, 3.

O anúncio chamou atenção e resolvi dar uma verificada.

Imagine o seguinte cenário: você tem um backup de uma base de dados SQL Server e precisa restaurá-lo pra trabalhar em cima dele. O backup tem aproximadamente 180 GB e você vai precisar de algumas horas pra restaurá-lo.

Imagine agora que você tenha uma forma de “restaurar” esse backup em 10 minutos e trabalhar em cima dele normalmente, como qualquer outra base de dados do SQL Server, executando consultas, procedures, realizando updates, etc. Essa é a idéia da ferramenta SQL Virtual Database desenvolvida pela Idera.

Algumas pessoas poderão dizer, “ah, mas o SQL Server já tem o Database Snapshot”. Sim, a idéia é parecida, mas o Database Snapshot só pode ser gerado na mesma instância da base de origem e só está disponível a partir do SQL Server 2005 em edições Enterprise. O SQL Virtual Database gera uma base de dados virtual em qualquer instância (inclusive SQL Server 2000) a partir de um arquivo de backup.

Achei a idéia inicial muito boa (o programa está na versão beta) e de certa forma fiquei impressionado com os 9 minutos que esperei para ter uma base virtual, baseada num backup de 180 GB, que estava em outra estação da rede. Particularmente achei uma saída muito interessante pra ambientes de desenvolvimento e homologação.

Vou testá-la repetidamente durante os próximos 14 dias (que é o período do Trial) e se tiver mais considerações posto aqui.

Abaixo algumas telas da ferramenta:

Tela de instalação

1. Tela de instalação

Attach do backup

2. Attach do backup na instância MENDESSQL05

Base de dados anexada à instância

3. Base virtual anexada à instância

Link para download.

Bom trabalho!


SQL Server via prompt de comando?

Em minha experiência pessoal já vivi uma situação onde durante a atualização do principal sistema da empresa, nosso contato no datacenter reclamou dizendo que não conseguia abrir o Management Studio para executar nossos scripts.

A solução mais rápida? Enviei para o datacenter o procedimento de execução dos scripts via SQLCMD.

Mas o que é isso?

O SQLCMD é uma ferramenta que você utiliza para acessar instâncias SQL Server via prompt de comando (vulgo DOS). Não existem segredos, uma vez conectado, através de scripts você pode fazer tudo o que faria utilizando o Query Analyser ou o Management Studio. Apesar de ser uma excelente ferramenta, o SQLCMD tem suas limitações “gráficas”, no entanto em alguns cenários é a ferramenta ideal!

Os exemplos que vou apresentar foram executados na minha estação de trabalho. Nela tenho instalado um SQL Server 2005. Minha instância é uma instância nomeada e é identificada como SQL05.

Pra começar a conversa vamos ao prompt de comando (menu Iniciar > Executar > cmd).

No prompt de comando, para conectar no meu SQL local (localhost), utilizando o SQLCMD, devo digitar o seguinte comando:

sqlcmd –E  –S  LOCALHOSTSQL05

No comando acima estou conectando no SQL Server utilizando a autenticação Windows (-E) na instância SQL05 (-S), mas se for necessário conectar utilizando a autenticação do SQL Server, ficaria assim:

sqlcmd  –U SA –P senhateste –S  LOCALHOSTSQL05

No exemplo acima, estou conectando no SQL utilizando o login SA  do SQL Server (-U) com a senha  senhateste (-P).

Se a conexão for realizada com sucesso o prompt do SQLCMD ficará similar à imagem abaixo:

01sqlcmd

Se o seu SQL Server foi instalado como uma instância padrão a conexão é ainda mais simples, pois você não precisa especificar o nome da instância. No exemplo abaixo estamos conectando numa instância padrão do SQL Server, utilizando autenticação Windows.

sqlcmd –E

Uma vez conectado, para sair do SQLCMD podemos utilizar os clássicos EXIT ou CTRL + C.

Dentro do SQLCMD é importante saber que suas instruções sql só serão executadas quando você digitar um GO e confirmar com um ENTER. No exemplo abaixo eu mudei o contexto para a base de dados Northwind e logo depois executei uma consulta. Veja que ao fim de cada instrução eu adicionei um GO.

02sqlcmdNote que a cada GO a numeração das linhas recomeça.

Uma vez conectado, como já citado, você poderá executar qualquer instrução SQL desde selects, updates, até a criação de bancos e tabelas ou a execução de procedures do sistema que te auxiliem a monitorar seu SQL Server, como:

Ler log do SQL Server

sp_readerrorlog

go

Verificar conexões na instância:

sp_who

go

Etc…

Combinado a isto, é possível também executar comandos do DOS dentro do SQLCMD. Para listar o C: basta digitar

!!dir C:

Se quiser dar uma limpada na tela, digite:

!!cls

Como você pode notar todos os comandos do prompt DOS são precedidos por dois pontos de exclamação (!!).

Ok…

Mas digamos agora que você tenha aí um script pronto e deseja executá-lo no SQLCMD, além disso deseja gravar o resultado da execução deste script num arquivo txt. Vamos exemplificar esta situação utilizando o script abaixo que será salvo na unidade c: num arquivo identificado como teste.sql.

USE northwind
SELECT
table_name nomeTabela,
column_name nomeColuna,
data_type tipoDaColuna,
isnull(character_set_name, ‘NoUnicode’) campoUnicode
FROM
information_schema.columns
WHERE
table_name = ‘Categories’

USE northwind

– lista todas as colunas da tabela Categories da base Northwind

SELECT

table_name nomeTabela,

column_name nomeColuna,

data_type tipoDaColuna,

isnull(character_set_name, ‘NoUnicode’) campoUnicode

FROM

information_schema.columns

WHERE

table_name = ‘Categories’

Veja como fica a linha dessa chamada utilizando o SQLCMD:

03sqlcmd

sqlcmd -E -S LOCALHOSTSQL05 -i”c:teste.sql” -o”resultado.txt”

O parâmetro –i indica o arquivo de entrada (INPUT),  que contém o script que será executado. O parâmetro –o indica qual será o arquivo de saída (OUTPUT), que conterá o resultado da execução.

 

Como qualquer assunto no SQL Server, este é mais um que poderíamos discorrer por páginas e mais páginas… mas por enquanto ficamos por aqui. Creio que essa introdução é o suficiente pra entendemos o potencial desta ferramenta.

Para obter mais informações sobre os parâmetros do SQLCMD, no prompt do DOS digite sqlcmd -? Se esse help parecer um pouco confuso você poderá acessar este link e ter informações mais detalhadas.

 

É importante lembrar que o SQLCMD está disponível para o SQL Server 2005 e 2008. Para versões anteriores utilize o OSQL ou ISQL.

Bom trabalho, bons estudos!

 

Mendes

DBA Checklist – Instalação e Atualização

Essa série de Check List para DBAs SQL Server foi escrita por Brad McGehee para o site http://www.simple-talk.com/ . É um texto sucinto, mas muito completo. Tomei a liberdade de adicionar algumas observações(em itálico) que normalmente apontam para outros conteúdos em português. O texto original pode ser lidoaqui.

Instalação

  • Sempre documente todo o processo de instalação do SQL Server, para que numa situação de emergência o processo possa ser facilmente reproduzido.
  • Se possível, instale e configure todas as suas instâncias do SQL Server seguindo um padrão que foi acordado e aceito por sua organização. Opcionalmente, utilize o SQL Server 2008 Policy-based Management para fazer com que todas as normas sejam cumpridas.
  • Não instale serviços do SQL Server que não serão usados, como o Microsoft Reporting Services ou Analysis Services (se você não usá-los).
  • Para o melhor desempenho do SQL Server, desabilite todos os serviços do Windows que não são necessários.
  • Para o melhor desempenho do SQL Server, dedique seu servidor físico à sua instância SQL Server, não rode outras aplicações nele.
  • Para o melhor desempenho de I/O, coloque os arquivos .mdf e .ldf em volumes de discos separados para evitar conflitos de escrita e leitura.
  • Se a TEMPDB for muito utilizada, coloque esta base em discos separados. Além disso, faça uma estimativa para o tamanho desta base, de forma que não ocorra crescimento automático. Divida a TEMPDB em vários arquivos, de forma que o número de arquivos físicos represente 50% a 100% do número de núcleos da CPU do seu servidor. Cada arquivo físico deve ter o mesmo tamanho.
  • Não instale o SQL Server num controlador de domínio.
  • Nos arquivos de dados e logs não utilize compactação, nem EFS (criptografia em sistemas de arquivos NTFS) .

Atualizando

  • Para evitar problemas potenciais, execute o Upgrade Advisor em qualquer banco de dados que você pretende atualizar.
  • Antes de realizar uma atualização do SQL Server, teste seu aplicativo num ambiente de testes para garantir compatibilidade. Antes de realizar a atualização faça as alterações necessárias.
  • Antes de qualquer atualização, verifique se você tem um plano ‘B’ para o caso de uma falha.
  • O upgrade ‘in place’ pode funcionar bem, mas instalar o novo SQL Server num novo hardware é menos arriscado (side-by-side).
    • Para entender mais sobre as técnicas de upgrade no SQL Server, veja essa ótima apresentação de José Ricardo Ribeiro (download em português):
  • Depois do upgrade, você deverá atualizar todas as estatísticas dos seus bancos de dados, usando o UPDATE STATISTICS. Isso é necessário porque as estatísticas não são automaticamente atualizadas durante o processo de atualização. Além disso, executar o UPDATE STATISTICS pode corrigir a contagem interna das páginas.

DBA Checklist – Sobre a profissão e a rotina

Essa série de Check List para DBAs SQL Server foi escrita por Brad McGehee para o site http://www.simple-talk.com/ . É um texto sucinto, mas muito completo. Tomei a liberdade de adicionar algumas observações (em itálico) que normalmente apontam para outros conteúdos em português. O texto original pode ser lido aqui.

Dicas de boas práticas para tornar-se um DBA Excepcional

  • Junte-se a um grupo de usuários de SQL Server.
  • Participe pelo menos uma vez ao ano de uma conferência profissional.
  • Faça pelo menos um treinamento por ano.
  • Leia pelo menos quatro livros de SQL Server por ano.
  • Leia o e-book How to Become an Exceptional DBA.
    • Livro escrito pelo autor que dá diversas dicas de como torna-se um DBA Excepcional (download em inglês).
  • Saiba tudo o que puder sobre o seu trabalho, principalmente naquelas áreas que ninguém gosta ou quer dominar.
  • No seu trabalho, seja voluntário, envolva-se em novas tarefas e aceite desafios, isso fará com que você conheça mais sobre a organização da sua empresa.
  • Instale o SQL Server no computador da sua casa ou em seu notebook e pratique, aprendendo novas funcionalidades do SQL Server, principalmente no SQL Server 2008.
  • Participe de fóruns sobre SQL Server (fazendo e respondendo perguntas).

Dia-a-dia

  • Verifique os logs do Windows, do SQL Server e logs de segurança.
  • Verifique se todos os jobs foram executados com sucesso.
  • Veja se os backups foram executados com sucesso e se foram salvos em local seguro.
  • Monitore o espaço em disco para garantir que o SQL Server não fique sem espaço. Para um melhor desempenho, todos os discos devem ter pelo menos 20% de espaço livre.
  • Durante todo o dia, periodicamente, monitore o desempenho do seu servidor. Use o System Monitor, Profiler, DMVs, ou o SQL Server 2008 Performance Data Collector.
  • Use o Management Studio ou o Profiler para monitorar e identificar problemas de locks [bloqueios].
  • Mantenha um registro de todas as alterações feitas em seus servidores, incluindo uma documentação de todos os problemas de desempenho que você encontrar e corrigir.
  • Crie alertas no SQL Server para notificá-lo através de e-mail sobre problemas potenciais. Ao receber os e-mails tome as medidas necessárias.
  • Dedique um tempo do seu dia para aprender algo novo e promover seu desenvolvimento profissional.


Dica – Copiar grid + cabeçalhos

Hoje uma dica rápida pra melhorar a produtividade:

Você está utilizando o Management Studio e acaba de executar uma consulta; agora precisa copiar o resultado para uma planilha Excel.

Sua consulta gerou um resultado com 25 colunas e ao colar o conteúdo na planilha você nota que só vieram os dados da consulta; os nomes das 25 colunas você terá que preencher a mão.

Alterar isso é bem simples. Vá no menu Options, expanda a opção Query Results e escolha a subopção Results to Grid. Agora é só marcar a opção “Include column headers when copying or saving the results” (Inclui cabeçalho das colunas quando copiar ou salvar resultados).

tela_Cabecalho

Bom trabalho!